5 livros infantis para bebês de até 2 anos

Se tem um assunto que eu amo, é esse: leitura para bebês e crianças. Não só por ter uma experiência pessoal muito positiva, mas pelas inúmeras vantagens que esse hábito pode trazer a toda a família.

Você sabia que quando o bebê completa seu primeiro ano de vida ele já aprendeu todos os sons necessários para falar a sua língua materna? Portanto, quanto maior for a exposição dele a diferentes palavras, melhor será a sua fala. O desenvolvimento da linguagem e do vocabulário realmente é um dos mais notórios benefícios da leitura na primeira infância, mas existem tantos outros! Por exemplo, quando você lê em voz alta para o seu bebê: Ensina-o sobre comunicação, Introduz conceitos primordiais como números, letras, cores e formas, Ajuda a estimular a memória e o ensina a ouvir e interpretar, Dá informações ao bebê sobre o mundo que o cerca.

Mas, provavelmente, a razão mais importante pela qual se deve ler para o bebê seja a conexão afetiva que se cria entre você e ele e entre as coisas que ele mais ama – a sua voz e o seu colo – e os livros. Enquanto lemos para uma criança, ensinamos a ela que a leitura é importante. Ainda mais quando essa leitura é alegre, animada e cheia de carinho! E não precisa ser muito longa não, viu? Muitas vezes é difícil conseguir parar tudo para sentar e ler com um bebê que pode parecer não entender muita coisa no início. Mas 5-10 minutinhos por dia serão suficientes para começar a desenvolver esse hábito. Aproveite momentos em que ele está calmo e interessado como quando acaba de acordar, antes de dormir, no carro, etc. Conforme o bebê for crescendo e demonstrando maior interesse, o tempo de leitura poderá aumentar.

É bom ressaltar que essa prática pode – e deve – ocorrer desde bem cedo, até mesmo durante a gestação (alô gravidinhas!), já que a partir da 18ª semana o bebê consegue ouvir a mamãe. Não precisa ser nada muito elaborado, pode ser uma leitura corriqueira de jornal, alguma coisa do trabalho, um romance, leitura sobre maternidade, não importa. Só o fato de você estar lendo em voz alta já vai fazer diferença e te ajudar a criar o hábito. Ah, é claro que o Papai, a vovó, o vovô e quem mais você quiser pode ler para o baby também!

Aqui em casa começamos assim, eram um ou dois livrinhos ao acordar das sonecas e mais alguns antes de dormir à noite. Eu já lia para a minha filha desde a gravidez e, depois que ela nasceu, quando tinha umas 6 semanas e começou a passar mais tempo acordada, começamos a ler juntas. Uma delícia! Desde o início ela sempre demonstrou grande interesse e aguenta até mesmo leituras “longas” pra idade e tempo de atenção e concentração dela. É lindo de se ver! Hoje em dia lemos menos vezes ao dia mas durante mais tempo, ela adora.

Mas vamos voltar ao tema deste post. Na hora de escolher livros para um bebê, é bom considerar:

● O material do livro

As melhores opções para bebês são os livros cartonados, de tecido, plástico ou emborrachados, por serem mais adequados para o livre manuseio dos pequenos leitores.

● O conteúdo

Livros que convidam à interação, com espelhos, diferentes texturas, janelinhas e de temas simples como números, letras, animais, opostos e sentimentos são sempre boas escolhas.

● Se ele irá acompanhar o crescimento de seu filho

Muitos livros são ótimos para a leitura desde o início até quando as crianças já estão começando a ler sozinhas, ou até mesmo por mais tempo. Pense também nos temas abordados e nas lições que poderão ser aprendidas através das historias.

● As ilustrações e o texto

Busque ilustrações chamativas, atraentes. Suas escolhas devem convidar o pequeno leitor a apontar, tocar, se interessar pela leitura. Procure por livros que sejam divertidos de se ler em voz alta. Textos com repetições, rimas, onomatopéias e poesia são sucesso garantido! (Aqui em casa são os favoritos)

Dentro desses critérios, segue uma lista de cinco livros que recomendamos:

1. Uma Lagarta Muito Comilona – de Eric Carle

Este livro já foi citado como um dos maiores clássicos da literatura infantil e não é à toa. Foi lançado em 1969 e continua um sucesso entre pequenos leitores até hoje! Usando a repetição no texto simples, apresenta temas educativos como números de 1-5, dias da semana, nomes de alguns alimentos e o ciclo de vida da borboleta. Ele possui as ilustrações características do autor, feitas através de colagem, que são bastante coloridas e interessantes. O design do livro também é inusitado e muito bacana, com buraquinhos feitos pela lagarta comilona nas páginas de diferentes tamanhos que se complementam. Existem inclusive muitas versões adaptadas do original, ex: de pano para bebês menores, pop-up para crianças maiores, etc..

2. Boa Noite, Lua – Margaret Wise Brown

Outro clássico que não perde seu lugar há décadas entre os pequenos leitores, esse livro apresenta um texto bem simples, de poesia sutil e perfeito para a hora de dormir; um coelhinho que dá boa noite aos objetos em seu quarto antes de pegar no sono. É uma ótima forma de ensinar ao bebê o nome dos objetos em seu quarto também, após ou durante a leitura, ajudando a ampliar seu vocabulário.

3. Adivinha Quanto Eu Te Amo – de Sam McBratney

Confesso que este é um dos meus favoritos e mais uma ótima opção para a hora de dormir (e qualquer outra hora também, porque é sempre bom dizer “eu te amo”, não é mesmo?!). A história é de um coelhinho que tenta de várias maneiras mostrar o tamanho do amor que sente por seu pai. Este, por sua vez, entra na brincadeira e parece ganhar sempre porque, assim como ele, suas medidas são sempre maiores. Um livro encantador; doce, leve e comovente, com ilustrações suaves que complementam o texto lindamente. Esse é um dos livros que sei que vamos ler ainda por muitos anos.

4. Cores – Toque e Sinta – de Jonathan Litton

Um livro fdeo e super útil para o desenvolvimento do vocabulário e apreensão do conceito de cores. Usa rimas para apresentar mais de cem palavras novas para o bebê, além de algumas texturas, aliadas a ilustrações chamativas e coloridas.

5. Bichos do Sítio. Com Meus Dedinhos – de Josephine Thompson

Este livro apresenta onomatopéias referentes aos sons emitidos pelos animais da fazenda e janelas interativas (sucesso absoluto por aqui). Adoro ver livros que convidam a criança a interagir com eles, estimulando o desenvolvimento da percepção sensorial. Outra coisa que gosto é que este em particular tem janelas embutidas, o que torna o livro bem mais “resistente” aos novos leitores que ainda não têm pleno domínio de suas funções motoras. Uma dica: na hora da leitura, vale a pena explorar a interação retratada entre os animais nas ilustrações para enriquecê-la ainda mais.

Por fim, sempre que estiver lendo para o seu bebê, procure comentar sobre as ilustrações, sobre o comportamento dos personagens, tente fazer vozes diferentes para cada um, nomeie e numere as figuras, aponte para elas, descreva suas cores, características, enfim; tudo o que a sua imaginação permitir. Desse modo, tornará a experiência ainda mais divertida, educativa e emocionante para o bebê – e eu garanto que os resultados não passarão despercebidos!

Compartilhar essa postagem