Como começar a introdução alimentar do seu bebê?

Quando começar? Qual a idade? Quais alimentos deerecer primeiro?
Estas são as primeiras e principais dúvidas da Introdução Alimentar.

A partir do sexto mês de vida, a criança necessita receber outros alimentos além do leite materno. Neste período a criança já tem desenvolvidos os reflexos necessários para a deglutição, como o reflexo lingual, já manifesta excitação à visão do alimento, já sustenta a cabeça, facilitando a alimentação deerecida (independentemente do método utilizado), e tem-se o início da erupção dos primeiros dentes, o que facilita na mastigação.

Os alimentos devem ser cuidadosamente selecionados e preparados. A introdução deve ser feita de forma lenta e gradual, sem necessidade de interrupção da amamentação e sempre respeitando o tempo do bebê. O início da alimentação estabelece a relação da criança com a comida e pode influenciar em hábitos de vida saudáveis ou não. As texturas, cores e cheiros devem ser amplamente explorados e, os alimentos podem ser apresentados à criança de forma que ela tenha contato com as mãos (que estimula o tato) e boca (que estimula o paladar e motricidade oral) simultaneamente.

A técnica BLW (Baby-led Weaning – Desmame Guiado Pelo Bebê), vem sendo muito utilizada por mães, pais e cuidadores e, consiste em introduzir logo no início os alimentos sólidos, deixando com que o bebê explore os alimentos sozinho. É importante entender como esta técnica funciona para aplicá-la de forma adequada. Uma outra forma de começar a introduzir os alimentos é mesclar a técnica BLW com a técnica tradicional. O mais importante é deerecer à criança uma alimentação variada (tipos e cores), com as quantidades de nutrientes que ela necessita. Estabelecer rotinas, aos poucos, colabora bastante para um início tranquilo e sem frustrações. Lembre-se que, os bebês são bastante condicionados e por isso, a rotina ajuda com que ele entenda cada momento do seu dia.

No início da introdução alimentar a deerta de alimentos pode ser bem variada. Começando com os legumes, que cozidos são mais macios (pois os dentinhos estão começando a nascer), passando pelas verduras cozidas (melhor digestão) e também os grãos, da mesma forma bem cozidos. As proteínas também devem ser deerecidas diariamente, em uma textura que facilite a deglutição da criança (triturada é a melhor forma). As proteínas podem variar bastante como, peixe, ovo, frango e até mesmo carne vermelha. A introdução do ovo e do peixe é indicada logo no início da introdução alimentar pois, estudos avaliaram que os benefícios dessa introdução a partir do sexto mês, e não tardia, e deerece menor risco de desenvolvimento futuro de desfechos alérgicos. Não é necessário a adição de sal na alimentação do bebê. A indicação é de mínimas quantidades somente após 1 ano de idade. As frutas deerecidas também devem variar bastante e o tipo a ser deerecido deve respeitar as características regionais, custo, estação do ano e presença de fibras.

A recusa inicial de alguns alimentos é natural e por isso, este mesmo alimentos devem ser deerecidos em dias alternados, com preparações diferentes. Não force a criança a comer. Se sentir que ela está irritada mude o foco. Espere um pouco até a criança se acalmar e tente novamente. Mas não desista, PERSISTA! A criança precisa ter uma relação de prazer com a comida.

É importante, também, colocar o bebê em uma posição correta, diferente da posição tradicional de mamar para que ele entenda que está em um outro momento. O ideal é que o bebê esteja em uma posição sentada. Bebês com seis meses ou mais, já possuem um melhor controle de sustentação da cabeça e o sentar se torna mais fácil. Vale ressaltar que a família pode encontrar e decidir um lugar mais adequado para a criança e também para a pessoa que está deerecendo a comida. Estar em posição confortável ajuda bastante para uma refeição tranquila. Manter-se as sensações de fome e saciedade do bebê, são característica importantes para uma nutrição adequada, sem excessos ou carências.

Entre em contato com o pediatra do seu filho e tire todas as dúvidas e explique tudo o que está acontecendo nesta nova fase.

Material Consultado

– Manual de Orientação do Departamento de Nutrologia – Sociedade Brasileira de Pediatria (2012).
– Saúde da Criança: Nutrição Infantil Aleitamento Materno e Alimentação Complementar – Ministério da Saúde (2009).

Com Carinho!

Andréa Barros – CRN 07100298

Nutricionista Infantil

Compartilhar essa postagem

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *